Alckmin alimenta especulação sobre chapa com Lula, mas mantém até PSL perto


O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) tem alimentado a especulação de que poderia ser vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para presidente da República. Mas não parou de trabalhar em sua candidatura para o governo do Estado. De saída do PSDB, segue mantendo conversas até com o PSL.

A especulação da chapa com o petista começou no início de novembro, alimentada pelos grupos políticos do ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) e do ex-vice de Alckmin, Márcio França (PSB). A avaliação é que o ex-governador agregaria votos a uma chapa com Lula. Alckmin é popular no Estado e bem visto pelo mercado financeiro. Também ajudaria a transmitir uma imagem de moderação do petista.

Em afago a Alckmin, Lula disse que nenhuma desavença anterior entre os dois é irreconciliável. O ex-governador, por sua vez, declarou que fica “muito honrado” pela citação de seu nome como possível vice do petista.

Apesar disso, Alckmin mantém conversas regulares com o vice-presidente do PSL, Junior Bozzella. O partido está em processo de fusão com o DEM para formar o União Brasil e gostaria de lançar o ex-governador na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

Na última semana, Alckmin também sondou aliados de Márcio França (PSB). Perguntou se ele ainda está disposto a ser seu vice numa disputa pelo governo do Estado. França quer ser candidato a governador em 2022, mas não contra Alckmin. Ambos têm João Doria como desafeto. Se Alckmin entrar numa chapa nacional, França teria caminho aberto para ser candidato a governador sem disputar contra seu aliado.

Quem também quer filiar Alckmin é o presidente do PSD, Gilberto Kassab. Em agosto, Alckmin posou para foto com Kassab, indicando proximidade com o ex-prefeito de São Paulo.

Poder360