TJRN aprova resolução que cria seu Laboratório de Inovação


O Pleno do Tribunal de Justiça aprovou na sessão desta quarta-feira (5) resolução que institui a criação de um Laboratório de Inovação no âmbito do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte, no prazo de 60 dias.

O Laboratório de Inovação é destinado à criação e desenvolvimento de projetos inovadores e à disseminação da cultura da inovação. Ele terá como objetivo promover o constante aprimoramento da prestação jurisdicional seguindo os avanços tecnológicos, acadêmicos e sociais, utilizando métodos que permitam a interação, a cocriação, a empatia, a troca de conhecimento e a prototipagem, com envolvimento de atores internos e externos da Justiça.

“Desde o início da nossa gestão, deixamos claro o compromisso com a inovação e os avanços tecnológicos para fazer o Poder Judiciário deste estado ser mais forte, célere e eficiente. E este laboratório é uma construção coletiva, um dispositivo para aproveitar e tornar realidade as melhores ideias no sentido de tornar os diversos setores da Justiça potiguar cada vez mais dinâmicos. O uso de ferramentas de TI e da Inteligência Artificial será uma das marcas deste projeto. O objetivo é este”, frisa o presidente do TJRN, desembargador Vivaldo Pinheiro.

Nas atividades do Laboratório de Inovação serão utilizadas metodologias e técnicas colaborativas que auxiliem a resolução de problemas complexos, entre as quais o design thinking, modelagem de negócios e uso de plataforma de inovação aberta; oficinas para a resolução de problemas concretos na atuação jurisdicional e administrativa; apoio à gestão, lançamento e maturação de projetos envolvendo ações de coaching, realização de pilotos e de modelagem de estrutura de gestão.

O Laboratório de Inovação será uma comissão permanente interinstitucional de trabalho vinculado à Presidência do TJRN e à Escola da Magistratura (Esmarn). A estrutura do equipamento será composta por um Comitê Estratégico de Inovação e por um Escritório de Inovação, subordinado ao primeiro.

Entre as diretrizes do Laboratório – cujo nome será escolhido por meio de concurso interno – estão o aprimoramento das práticas e ferramentas gerenciais administrativas e judiciais com foco no resultado e na experiência dos usuários dos serviços judiciários e administrativos, além de ampliar a proposição de soluções de inteligência artificial e automação na Justiça potiguar.

O Laboratório também deverá propor a revisão de design dos serviços, fluxos de trabalho, estruturas, documentos organizacionais e de peças jurídicas com foco no resultado. A remodelação dos serviços deve se basear nos anseios e necessidades de seus usuários internos e externos e da experimentação prévia de novas ideias.

Veja AQUI a Resolução nº 14/2021.