MostraImagem
21 de setembro de 2018

TRT-RN: Leilão arrecada R$ 2,5 milhões para pagar dívidas trabalhistas


Os dezesseis lotes arrematados no leilão promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), dentro da 8ª Semana Nacional da Execução Trabalhista, renderam R$ 2.596.900,00 para pagamento de dívidas.

Do total de 31 lotes de bens penhorados que foram a leilão, seis foram retirados do pregão, por ordem judicial ou pela quitação da dívida, como foi o caso de um apartamento no Residencial Palladium, em Lagoa Nova, cujo pagou R$ 219 mil durante o leilão.

Um dos destaques do leilão, a garagem da Viação Nordeste, em Natal, avaliada em R$ 6,3 milhões, também foi retirado do leilão por duas decisões liminares. Uma do desembargador Carlos Newton Pinto, a pedido dos sócios da empresa. Outro, da desembargadora Auxiliadora Rodrigues, numa ação do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (SINTRO-RN).

Em sua liminar, a presidente do TRT-RN determinou, a pedido do Sintro, a realização de uma audiência de conciliação, agendada para às 14h desta quinta-feira (20), no CEJUSC MAR. em Natal, entre representantes do SIntro e da Viação Nordeste, cuja dívida trabalhista ultrapassa os R$ 20 milhões. A audiência será presidida pelo juiz Cacio Oliveira Manoel.

O prédio APAMI de Florânia, onde funciona a UPA da cidade e o Centro Comercial do Conjunto Santa Catarina, na zona norte de Natal, foram arrematados por R$ 365 mil cada.

Um dos bens mais disputados durante o leilão foi um terreno na praia de Cacimbinhas, em Pipa, que acabou sendo arrematado por R$ 1,5 milhão.

Um outro imóvel na praia de Sibaúma saiu por R$ 24 mil e um flat em Ponta Negra, por R$ 84 mil.

Todo o mobiliário do Hospital PAPI Pronto Socorro e da Clínica Infantil de Natal também foram arrematados.

Nove lotes, entre eles os de um aparelho de raio-x, um autoclave e um gerador de energia, do PAPI, não tiveram interessados.

O leilão foi presidido pelo juiz Décio Teixeira de Carvalho Junior, coordenador da Central de Apoio à Execução do TRT-RN.

Agora os recursos levantados pelo leilão serão usados para pagamento dos trabalhadores em processos que tramitam nas Varas do Trabalho de Natal, Assu, Currais Novos, Goianinha e na CAEx.