Juízes dizem que ex-presidente do TST ameaça magistrados
10 de maio de 2018

Juízes dizem que ex-presidente do TST ameaça magistrados


A afirmação de Ives Gandra Filho, ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), de que a Justiça do Trabalho poderá acabar se juízes se opuserem à reforma, foi mal recebida por profissionais da área. Mais de 1.500 magistrados, servidores, advogados e políticos assinaram uma carta aberta em protesto ao posicionamento de Ives Gandra Filho.

O ministro do TST se queixou de juízes que, segundo ele, resistem em aplicar a reforma trabalhista, durante um evento em São Paulo, na última quinta-feira (3). “Se esses magistrados continuarem se opondo à modernização das leis trabalhistas, eu temo pela Justiça do Trabalho. De hoje para amanhã, podem acabar (com a instituição)”, afirmou.

Os signatários da carta a Gandra Filho veem as declarações como uma ameaça. “Ao inocular o medo do fim da Justiça do Trabalho (…) o que se faz é tentar compelir magistrados trabalhistas a julgarem em desacordo com a ordem constitucional vigente e com sua independência.”

“Trata-se, em verdade, de uma ameaça: a de que a Justiça do Trabalho será extinta pelo fato de os juízes e juízas do trabalho cumprirem sua obrigação de não aplicar o puro texto da [reforma trabalhista], sem filtrá-la a partir dos parâmetros constitucionais.”

No último sábado (4), se reuniu o 19º Congresso Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Conamat), em que juízes debateram como interpretar a reforma trabalhista à luz da Constituição. O ministro Ives Gandra Filho foi declarado persona non grata durante o evento. Para Souto Severo, juíza do Trabalho de Porto Alegre (RS) que encabeçou a petição, a afirmação de Gandra foi “afrontosa a todo mundo que lida com direito do trabalho”.

Os juízes que assinam a carta defendem que não estão se negando a aplicar a lei, e sim a interpretando de acordo com a Constituição, que versa sobre direitos trabalhistas. A palavra final caberá ao Supremo Tribunal Federal (STF), que deve começar a julgar, nesta quarta (9), 21 processos que tratam da constitucionalidade da reforma trabalhista. “Quando o Ives se manifesta, o fim da Justiça do Trabalho é quase uma bandeira, de alguém que esteve à frente dessa instituição e que deveria defendê-la”, diz Souto Severo.

A juíza afirma que a reforma trabalhista impôs barreiras aos trabalhadores que querem ingressar com ações. Na nova regra, quem perde a causa pode ser condenado a pagar honorários ao advogado da empresa e custas processuais. “As regras que impedem o acesso à Justiça é que podem acabar com a Justiça do Trabalho, porque os trabalhadores terão receio de ingressar com ações.”

Entre dezembro e fevereiro de 2018, as varas da Justiça do Trabalho receberam 48,3% menos ações em relação ao mesmo período do ano anterior.

Fonte: Jornal do Comércio