07 de agosto de 2015

Denúncia contra Micarla e Gilson Moura por desvio de dinheiro é acatada


A ex-prefeita Micarla de Sousa e o ex-deputado estadual Gilson Moura viraram réus no processo que que apura crimes de peculato, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e desvios de recursos públicos. Nesta sexta-feira (7) o juiz Raimundo Carlyle aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) em março do ano passado contra os dois políticos e mais sete pessoas envolvidas no esquema.

Segundo a denúncia, o grupo desviou R$ 440.706,43 através de convênios celebrados entre a Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtas) e a Associação de Atividades de Valorização Social (Ativa) entre os meses de junho a dezembro de 2010. Segundo o MPRN, nesse período, pessoas ligadas ao deputado estadual estavam à frente dos dois órgãos e utilizaram as estruturas e verba públicas para custear as despesas de campanha eleitoral de Gilson Moura que, em 2010, foi reeleito para ocupar uma das cadeiras da Assembleia Legislativa.

A ação do MPRN é resultado da delação premiada de Rychardson de Macedo Bernardo e sua noiva Emanuela de Oliveira Alves, ex-diretores do Instituto de Pesos e Medidas do Estado (Ipem-RN) e da Ativa, respectivamente, condenados no processo decorrente da Operação Pecado Capital, que investigou fraudes no órgão fiscalizador. Além de Micarla e Gilson, também foram denunciados o ex-titular da Semtas, Alcedo Borges de Melo Júnior, Alan Candídio de Oliveira, João Valentim da Costa Neto, João Indaleto Guimarães Neto, Jefferson de Souza Bezerra, Orlando Francisco de Queiros Júnior e Bruno Rocha de Souza.