Campanha para jovens acolhidos é lançada pela Justiça do Ceará
05 de outubro de 2017

Campanha para jovens acolhidos é lançada pela Justiça do Ceará


Crianças e adolescentes que vivem em acolhimento institucional serão contemplados com programação especial, em comemoração ao Dia da Criança, promovida pela Comissão Judiciária de Adoção Internacional (Cejai) do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). O lançamento ocorreu nessa terça-feira (04/10), no Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza.

Uma das ações, durante o mês de outubro, é a divulgação do projeto “Apadrinhe uma criança – É simples como amar”. A mobilização ocorrerá nos dias 6, 7 e 8 deste mês, no shopping Iguatemi, com prestação de informações e serviços do Setor do Cadastro de Adoção, do projeto Anjos da Adoção, das Redes Acalanto e Adotiva, do Ministério Público e da Defensoria.

Haverá também apresentações de banda musical, coral, grupos de dança e capoeira, além de artesanato e exposição de telas e desenhos. O objetivo é dar maior visibilidade ao programa de apadrinhamento, como forma de proporcionar oportunidades de convívio social e criação de laços afetivos para jovens em situação de acolhimento.

Já no dia 20, haverá manhã de lazer para crianças e adolescentes na Casa José de Alencar, no bairro Messejana. Serão ofertados lanches e atividades de recreação, além de apresentações da banda “Bola de Sabão” e do grupo de teatro “Bila-Bilu”, com a peça “Monterices Lobatianas”.

O presidente do TJCE, desembargador Gladyson Pontes, ressaltou que a sociedade precisa olhar mais atentamente para essas pessoas e que o apadrinhamento é uma forma simples de levar o cuidado e o carinho de que elas necessitam para crescerem com mais dignidade. “Essas crianças já foram abandonadas pelos pais, familiares, e não têm ninguém a não ser nós, a sociedade. Elas precisam de aconchego, amor, da nossa solidariedade.”

Para a presidente da Cejai, desembargadora Vilauba Fausto Lopes, a finalidade principal é “dar oportunidade para que essas crianças descubram que há um mundo diferente daquele em que convivem e que existem pessoas que olham por elas e, assim, possam acreditar que ainda há luz, esperança.”

O coordenador das Varas da Infância e da Juventude da Capital, juiz Raimundo Deusdeth Rodrigues Júnior, destacou a dedicação de todos os envolvidos na campanha. “Se conseguirmos levar um pouco de fé, alegria e esperança para essas crianças, já sairemos vitoriosos.”

Também presentes à solenidade estavam o juiz auxiliar da Presidência do TJCE, Francisco Luciano Lima Rodrigues; o diretor do Fórum Clóvis Beviláqua, juiz José Ricardo Vidal Patrocínio; os magistrados das Varas da Infância, Alda Maria Holanda Leite, Francisco Jaime de Medeiros Neto e Mabel Viana Maciel; o promotor de Justiça Dairton Oliveira, a defensora pública Ana Cristina Teixeira Barreto, além de outros magistrados e servidores do Judiciário.

APADRINHAMENTO

Atualmente, em Fortaleza, existem 62 participantes no programa de apadrinhamento (afetivo, financeiro e prestação de serviço), regulamentado pela Resolução nº 13/2015, do Órgão Especial do TJCE.

O analista de planejamento Wescley Queiroz foi o primeiro a aderir ao projeto, instituído em janeiro de 2016. Ao participar de ação voluntária em abrigo, ele conheceu Jonas, então com sete anos, e sentiu que houve, de imediato, uma empatia recíproca.

Deu entrada no processo para se tornar padrinho afetivo e, desde que foi autorizado, faz visitas regulares ao abrigo e sente que essa relação se fortalece e é engradecedora para os dois. “É uma experiência inexplicável, porque você vai achando que vai fazer a mudança, mas na verdade a mudança ocorre em você. Então, hoje eu tenho ele como um grande companheiro, meu melhor amigo, e ele me tem como uma referência de família”, conta.